Uma visita ao zoologico de Pomerode

A cidade de Pomerode, próxima a Blumenau, conta com cerca de 28 mil habitantes, e oferece ao visitante um belo espetáculo: numerosos traços da arquitetura alemã, em meio a numerosos jardins, tanto residenciais quanto públicos com flores e arvores tipicamente brasileiros. E sobretudo impressiona-nos o simpático e laborioso estilo de vida de seus habitantes, descendentes dos colonizadores alemães, vindos, na maioria da região da Pomerânia.

Pórtico de Pomerode

Na semana passada, os alunos do Colégio Arautos do Evangelho, de Joinville, e também alguns convidados de outros colégios estiveram em visita a Pomerode, conhecendo especialmente o seu jardim zoológico, onde se encontram animais de varias partes do mundo, e, também Brasil.


A visita foi concluída com a celebração de uma Missa na igreja matriz de São Ludgero, e foi celebrada pelo capelão dos Arautos em Joinville, Pe. Colombo Nunes Pires. São Ludgero foi contemporâneo do Imperador Carlos Magno, e como Bispo de Munster teve um importante papel na evangelização da Alemanha.

Depois de conhecer a bela Pomerode, como também aves e animais de diversos gêneros e os jovens se reuniram para louvar durante a Santa Missa, o Deus criador de todas essas belezas!

Um jovem descreve a visita ao zoologico

Julio Cesar

Para mim, a primeira surpresa foi conhecer alguns pinguins que se encontravam numa piscina refrigerada, protegida por vidros, para permitir uma temperatura como a do polo sul. Era uma piscina só para eles. Eu nunca tinha visto um pingüin na minha vida!

Outro gênero de animais as cobras compridas. Algumas eram compridas, com extensão de vários metros, e com um diâmetro grosso, enquanto outras eram bem finas. Todas elas estavam bem quietas. Eu nunca tinha parado e pensado que as cobras fossem tão calmas. De fato, quando elas partem para o ataque são rápidas e violentas.

Pude observar, pela primeira vez, dois elefantes gigantes, (com cada patonas robustas!), para sustentar o peso enorme do corpo; eram elefantes muito gordos.

Não me foi possível fotografar uma lontra que estava junto a uma piscina, e que parecia estar lavando suas patas…

Duas zebras, bem listradinhas, pastavam calmamente. Eu nunca pensei que tivessem praticamente o tamanho de um cavalo. Sempre pensei que fossem menores, como um pônei.

O viveiro dos pássaros foi um dos pontos altos da visita ao zoológico um grande variedade de pássaros, com suas cores mais curiosas. Famílias de que consegui guardar o nome: atobá, faisão dourado, rola fogo apagou, papagaio chorão, sábia, tucano, periquito verde, araras e papagaios.

Neste zoológico, os pássaros são amestrados, mansos, não se apavoram nem fogem dos visitantes, mas pelo contrario se deixam acariciar. Eu eu consegui fazer carinho a vários deles.

O bicho que eu mais gostei de conhecer foi o leão, apesar de que ele parecia meio velho, ja com uma barbicha. Mas conservava a aparência de rei da floresta e também rei do zoológico.

Os hipopótamos (nome composto de palavras gregas, hipo=cavalo, pótamo=rio / cavalo do rio), demonstravam ser muito fortes e pesados, porem sem a agilidade dos seus primos, cavalos da terra.

Por fim, um agradecimento: eu só consegui ver esses animais por causa desse passeio organizado pelos Arautos do Evangelho!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*