Árvores de natal, por quê?

Sapin, tannenbaum, árbol de navidad, ever green… Chamem-na como for, a árvore de natal nunca deixou de ser uma das decorações mais atraentes nas comemorações natalinas.

Sua origem é muito mais antiga do que parece. Diferentemente do que muitos acreditam, este belo e tradicional costume não surgiu na América do Norte, onde essas árvores são muito comuns. Foi no início da Idade Média, ainda na época da conversão dos bárbaros, que surgiu este símbolo do natal.

Wilfrido de York (634 – 709), monge beneditino, tomou para si o encargo de evangelizar uma região ao sul da Saxônia – região ao norte da atual Bélgica -, onde viviam os frisões. Povos de crenças todas pagãs, curiosamente esta tribo cultuava o carvalho como uma divindade. Segundo diziam, este era possuído por espíritos que o conservavam verde durante o inverno. E estas mesmas divindades promoviam o retorno da primavera e do verão.

São Wilfrido ao tomar conhecimento desses rituais, deparou-se com um difícil obstáculo: desmentir essa arraigada convicção pagã, demonstrando-lhes a falsidade de tal imaginação. Para isso, resolve o Santo certo dia cortar um daqueles velho carvalhos na presença de todos os bárbaros. Golpe vai golpe vem, irrompeu uma terrível tempestade. Os lenhadores apressam o serviço e, em meio a cambaleadas, a árvore caiu por terra. No exato momento em que tocava o chão, um raio fulminou o carvalho, despedaçando-o. Os bárbaros viram, assim, seu mito destruído e a ilusão que praticavam.

Porém, passou-se algo muito pitoresco… A alguns centímetros da carbonizada árvore, havia um pinheirinho que ficou intacto, mesmo em meio à destruição causada pelo raio. Era dia 25 de dezembro, e São Wilfrido percebeu nesse fato um simbolismo muito belo: Deus protege a fragilidade e a inocência. Em seu sermão à noite, relacionou poeticamente a imagem da pequenina árvore com a Natividade de Nosso Senhor e, assim, a partir daquele dia, o pinheirinho passou a ser o símbolo do Menino Jesus nas comemorações natalinas.

Adaptado. Chez Nous, Nº 12 – Dezembro 2008

Um Comentário para: “Árvores de natal, por quê?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*