O silêncio: eficaz meio de santificação

Ao percorrermos as páginas das Sagradas Escrituras, deparamo-nos com inúmeras recomendações e importantíssimas afirmações dadas pelo próprio Espírito Santo a fim de nos ensinar o caminho certo para chegar à Pátria Celestial. “Não te apresses em abrir a boca;  “[…] o homem sábio guarda silêncio” (Pv 11,12).

Em inúmeras ocasiões de nossa vida deixamos transparecer o que se passa em nosso interior pelo silêncio. Por meio dele afirmamos, negamos, consentimos, reprovamos ou manifestamos nossa alegria em relação a algo, às vezes com mais significado do que se tivéssemos pronunciado algumas frases.

Nosso Senhor, na hora de sua Crucifixão, depois de dirigir aquelas imorredouras palavras ao bom ladrão – “hoje estarás comigo no Paraíso” (Lc 23, 43) -, ofereceu um frio silêncio ao mau ladrão, que lhe valeu mais do que um colossal discurso. “Quanta expressividade tem o silêncio de uma pessoa como Nosso Senhor Jesus Cristo!”.

É perfeitamente compreendido por Deus nosso silêncio, sendo, ademais, um dos meios que Ele usa com maior frequência para relacionar-Se com as suas criaturas inteligentes e revelar-lhes as maravilhas que só podem ser entendidas na sacralidade e tranquilidade sublime da atmosfera sobrenatural.

Quais são estas maravilhas que Deus nos revela através do silêncio? A que Ele nos convida? Em belas e poéticas palavras, interpreta o Prof. Plinio Corrêa de Oliveira o convite divino recebido pela alma que se recolhe: “Ouve-me, porque o timbre de minha voz é grave e suave… Ouve-me, porque o que eu tenho a te dizer eleva a alma, descansa e entretém. Ouve-me, porque as minhas palavras põem na tua alma um certo refrigério, uma certa luz, uma certa paz que tu tinhas esquecido que existe, e que agora, quando te fala, te convida para as solidões maravilhosas de que tinhas perdido a lembrança e a saudade… […] Mas à força de falares com o silêncio, tu mesmo começas a ser um daqueles que, pelo silêncio, falam! Teu silêncio interior faz-te ouvir palavras também, e tu começas a entender, a dizer dentro de ti mesmo, que não é uma recordação que isso traz: é uma esperança! São os dias vindouros que te esperam na sua glória!”.

Quando nos abstemos de pronunciar palavras ociosas ou banais, quando nos silenciamos para ouvir sábios conselhos ou ler palavras para nosso enriquecimento ­intelectual ou espiritual, evitamos o pecado e nossa alma ouve melhor a voz da graça, fica mais propícia a enfrentar com coragem as dificuldades da vida, aprende a elevar a mente a Deus e viver em sua presença. É o silêncio, portanto, um eficaz meio de santificação.

(Adaptado Revista Arautos do Evangelho, Janeiro/2016, n. 169, pp. 36-37)

2 Comentários para: “O silêncio: eficaz meio de santificação

  1. Salve Maria!
    O belo texto juntamente com as magníficas palavras do Sr. Dr. Plinio fez-me lembrar de São Francisco de Salles: “O Bem não faz barulho e o barulho não faz bem.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*