Retiro Espiritual dos Cooperadores dos Arautos

Após o Batismo, a primeira disposição do Espírito Santo foi de conduzir Jesus ao deserto, onde Ele permaneceu quarenta dias em regime de penitência, isolamento e oração. Mostra-nos assim o Divino Mestre que, antes de lançar-se a santos e grandes feitos, é indispensável preparar-se pela oração e pela contemplação, pois a vida interior é a alma de toda ação missionária.

Se o próprio Deus humanado deu esse sublime exemplo, qual lição devem dele tirar todos quantos, em nossos dias, consagram a vida ao apostolado? O extenso feriado de carnaval foi um excelente período de formação e meditação para os Cooperadores dos Arautos do Evangelho, que participaram de um Retiro Espiritual orientado pelo Revmo. Pe. António Hernando, EP, e Revmo. Pe. Masahaki Hagiahara, EP. Estiveram reunidas mais de 50 pessoas na casa de retiro Padre Dehon, na cidade de Brusque/SC, em uma rotina regada com a Santa Missa, reuniões, meditações, oração do santo terço e adoração ao Santíssimo Sacramento.

Adequar nossos pensamentos, desejos, ações e sentimentos conforme Nosso Senhor Jesus Cristo, é o único meio de correspondermos condignamente ao amor que Deus manifesta por cada um de nós. Em nossa vida espiritual, falta-nos muitas vezes a compenetração da necessidade de sermos santos. Não raro procuramos ser simplesmente corretos, esquecendo o chamado do Concílio Vaticano II tantas vezes repetido: “Jesus, mestre e modelo divino de toda a perfeição, pregou a santidade de vida, de que Ele é autor e consumador, a todos e a cada um dos seus discípulos, de qualquer condição: ‘sede perfeitos como vosso Pai celeste é perfeito’ (Mt 5, 48)”.22

“Gravíssimo erro comete”, ensina Santo Afonso Maria de Ligório, “quem sustenta que Deus não exige que todos nós sejamos santos, pois São Paulo afirma: ‘Esta é a vontade de Deus, vossa santificação’ (I Tes 4, 3). Quer Ele que sejamos todos santos, cada qual conforme seu estado: o religioso como religioso, o leigo como leigo, o sacerdote como sacerdote, o casado como casado, o comerciante como comerciante, o soldado como soldado, e o mesmo se diga de todos os demais estados e condições de vida”.23

Com efeito, precisamos “progredir no conhecimento de Jesus Cristo”, porque sendo Ele Deus e Homem verdadeiro é o arquétipo de todo o universo. Mas basta conhecer? Não. Bem diz São João da Cruz: “No entardecer desta vida sereis julgados segundo o amor”.24 A mais profunda compreensão da doutrina deve servir, sobretudo, para aumentar a caridade em nós, de forma que melhor conhecendo a adorável Pessoa de Nosso Senhor, tenhamos maiores possibilidades de “corresponder a seu amor”.

Nada disto obteremos, porém, sem o auxílio da graça. O homem não tem forças por si mesmo para adequar estavelmente conforme Nosso Senhor seus pensamentos, desejos, ações e sentimentos. Para tornar efetiva a conversão a qual Jesus nos convida, indispensável dizer, junto com o profeta: “Converte- me, e converter-me-ei, porque Tu és o Senhor meu Deus” (Jr 31, 18b).

(Excertos extraídos do artigo de autoria de Mons. João Scognamiglio Clá Dias, na Revista Arautos do Evangelho, Fev./2012, n. 122, p. 10 à 17).

6 Comentários para: “Retiro Espiritual dos Cooperadores dos Arautos

  1. Quase impossível falar aquilo que lá aconteceu. Foram momentos de profunda espiritualidade. As palavras sempre são materiais e assim impossível é com elas expressar aquilo que realmente se gravou em nossas almas. Parabéns ao Conferencista que tão sabiamente soube colocar as coisas, ao Padre que tão santamente atendeu as confissões cujo proveito das graças nos trouxe, ao Coordenador que com tanta disciplina tudo organizou e a todos os participantes que com profunda harmonia souberam se portar..
    Só nos resta esperar outro retiro para finalmente tê-lo eternamente no céu, após mais uma grande vitória da Igreja aqui na Terra.

  2. Salve Maria!
    “Amar, reverenciar e dar glória a Deus” é para isso que Deus nos criou.
    Durante estes dias de retiro, a grande graça foi poder meditar sobre o verdadeiro motivo de nossa passagem por esta terra, a exemplo de Santo Inácio de Loyola, que nos ajuda com os exercícios espirituais e os grandes ensinamentos de Santo Afonso Maria de Ligório tão bem explicados pelo Revmo. Pe. António.
    Agradeço a Deus, Maria Santíssima e nossos Santos Fundadores, por tudo o que nos tem proporcionado por meio desta obra divina dos Arautos do Evangelho.

  3. Salve Maria!
    Retiro extraordinário de onde saímos transbordando de fé e confiança nas promessas divinas a exemplo de Santo Inácio, Santo Afonso Rodrigues, Santo Afonso Maria de Ligório, nossos Santos Fundadores. Tudo muito bem organizado e transmitido com muito entusiasmo e santa ousadia pelo Revmo Padre Hernando, sem esquecer, é claro, da assistência espiritual no confessionário com o Revmo Padre Masahaki, o qual assistiu a todos com muita atenção e desvelo sacerdotal.
    Que fenomenal poder começar a Quaresma assim! Muitíssimo obrigado aos Arautos do Evangelho, essa instituição divina, cujos frutos demonstram bem a Árvore Divina da qual procede!

  4. Salve Maria! Quando nos deixamos cobrir e inteiramente “encharcar” destas Graças Divinas, nossa vida terrena toma outro sentido e cada vez se quer subir mais alto. Graças e louvores à Deus e a Santíssima Virgem Maria, por me “pegar pela mão e levar de volta pra casa”. Sei que Ele entende cada palavra, por mais simples que elas sejam!

  5. Salve MARIA!!!que Maravilha e que bênção esses quatro dias de retiro,nao tenho palavras pra descrever o quanto está sendo importante para mim!! Só tenho a agradecer a Deus,a virgem Santíssima e aos Arautos do Evangelho
    Salve MARIA!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*