O poder intercessor de São José

Quem poderá calcular a força impetratória de São José junto a seu Divino Filho? Tendo-lhe sido Jesus submisso durante a vida terrena, certamente não deixará de atender a todos os pedidos feitos por ele na eternidade.

Ao longo da História da Igreja, deparamo-nos com certos personagens cuja grandeza ultrapassa qualquer lenda. Parecem ser eles objeto de uma especial predileção de Deus, comprazido em adornar suas almas com o brilho das virtudes mais elevadas e de raríssimos dons.

Pensemos em um Moisés, com quem o Criador Se entretinha “face a face, como um homem fala com seu amigo” (Ex 33, 11). Lembremo-nos, ainda no Antigo Testamento, das insignes figuras de José do Egito, Judith, Ester ou do vitorioso e aguerrido Judas Macabeu. E não podemos deixar de incluir nesta lista também grandes nomes do Novo Testamento, como um Santo Antônio de Pádua, taumaturgo e pregador de envergadura legendária, uma Santa Catarina de Sena, com quem Deus mantinha elevados diálogos, conselheira de Papas e reis, ou pastores mais recentes, como um São João Bosco, cuja admirável obra evangelizadora se expandiu rápida e profundamente por toda a Igreja.

A todos supera, entretanto, um Santo muito conhecido, mas ao qual com frequência não se presta a devida atenção: São José, pai virginal do Menino Jesus. Reflitamos um pouco sobre quem é ele, à luz do mais recente livro de Mons. João Scognamiglio Clá Dias.1

Na mente de Deus, desde toda a eternidade

Quando, antes do início dos tempos, Deus Pai determinou num mesmo decreto “a origem de Maria e a Encarnação da Divina Sabedoria”,2 quis que a chegada de seu Filho ao mundo fosse revestida da suprema pulcritude que convém a Deus. Apesar dos aspectos de pobreza e humildade com os quais haveria de Se mostrar, Ele deveria nascer de uma Virgem (cf. Is 7, 14), sem mancha de pecado, que reuniria em Si as alegrias da maternidade e a flor da virgindade.

Contudo, era indispensável a presença de alguém capaz de assumir a figura de pai perante o Verbo de Deus encarnado, em quem a Santíssima Trindade, decerto, também pensou no mesmo decreto. E a ele bem podemos aplicar as palavras da Escritura acerca do Rei Davi, de quem seria descendente: “O Senhor escolheu para Si um homem segundo o seu coração” (I Sm 13, 14). Este é São José!

À altura de ser o esposo de Maria

A fim de termos uma ideia de quem é ele, precisamos considerar que, ao ser escolhido para pai adotivo do Menino Jesus, cabia-lhe ser cônjuge de Nossa Senhora e, para o matrimônio ser harmônico e proporcionado, era necessário que estivesse à altura d’Ela.

Ora, quem é Nossa Senhora? A mais perfeita de todas as criaturas, a obra-prima do Altíssimo, concebida sem sombra do pecado original. Se somarmos as virtudes de todos os Anjos e de toda a humanidade até o fim do mundo, não teremos sequer uma pálida ideia de sua singular perfeição.

Assim, deveria possuir uma grandeza de alma ímpar e uma virtude excelsa o varão escolhido para ser o guardião d’Aquela que seria a Filha do Pai Eterno, a Mãe do Verbo Encarnado e a Esposa do Divino Espírito Santo.

“E se as relações do Paráclito com Nossa Senhora foram sublimes, também o foram as com São José, ainda que de modo diverso, pois ele, pelo seu consentimento à ação divina, permitiu que se realizasse a concepção virginal. O próprio Deus, portanto, deu-lhe o direito de ­mandar no Menino Jesus, atribuição que devia observar para que a boa ordem das coisas reinasse na Sagrada Família. É difícil calcular o que isso supõe. O certo é que se trata do maior ato de confiança de Deus num homem”,3 afirma Mons. João.

Pai virginal do Menino Jesus

Sua missão, enquanto pai virginal do Menino Jesus, consistiu, por conseguinte, em ser a imagem do Pai aos olhos do próprio Filho de Deus! Na simplicidade da vida cotidiana, São José exercia, como chefe da casa, uma verdadeira autoridade sobre Ele. “Nos anos da vida oculta em Nazaré, a intimidade da Sagrada Família constituía um espetáculo tão sublime que só Deus e seus Anjos foram dignos de assisti-lo”.4

Quem iria responder às perguntas de Deus? Esta graça só foi concedida a São José, varão humilde e puro. Imaginemos o Menino ­Jesus parado diante dele e indagando como fazer tal coisa e tal outra. E o Santo Patriarca, mera criatura, ciente de que é Deus quem lhe pergunta, dá o conselho!

“É difícil medir o privilégio de São José, na familiaridade respeitosa e casta do lar, de abraçar com ternura o Filho de Deus, que o chamava de pai e lhe pedia indicações de como proceder. Não menos difícil é calcular quanto auxílio da graça era preciso para responder a um Deus e aconselhá-Lo. Eis as glórias que se acumulam sobre o esposo de Maria”,5 diz ainda o nosso Fundador.
Consideremos São José como modelo de castidade e de força, varão de santidade inimaginável, no qual Deus reuniu, como num sol, tudo quanto os demais Santos juntos têm de luz e esplendor. Todas as glórias se acumularam neste varão incomparável.

Hoje como ontem: “Ide a José”!

No início destas linhas nos lembrávamos de um outro José, filho do patriarca Jacó, ao qual o faraó mandava os egípcios se dirigirem, nos tempos da fome, dizendo-lhes: “Ide a José”!

De maneira semelhante, diz um piedoso autor do século passado, a Divina Providência “constituiu o Santo Patriarca como senhor de sua casa e príncipe de todos os seus bens, pondo em suas mãos as chaves dos tesouros celestiais, como o faraó pôs as chaves dos celeiros do Egito nas mãos do antigo José, vice-rei daquele país”.6

Desta forma, conclui ele, “com as mesmas palavras com as quais o mencionado faraó exortava seus vassalos a recorrerem a José em sua extrema penúria, recomenda-nos Deus, nosso Senhor, que nos dirijamos a nosso bendito Santo, dizendo-nos a todos: Ide a José, que tem poder para remediar vossos males”.7

Operar-se-ão as maravilhas da graça

Quem poderá, pois, calcular o poder de São José, como intercessor junto a Maria Santíssima e a seu Divino Filho? Ele pode tudo diante do Divino Redentor, pois tendo-lhe Ele sido submisso durante sua vida terrena (cf. Lc 2, 51), certamente não deixará de atender nenhum de seus pedidos por toda a eternidade.

Imploremos sempre sua poderosa intercessão! E tenhamos a certeza de que, como assegura Mons. João ao terminar seu livro sobre o Santo Patriarca, “quando a devoção a ele tiver atingido o grau de consistência e de fervor que só a Providência conhece em sua exata medida, operar-se-ão as maravilhas da graça e assistiremos à grande virada da História. ‘Ide a José, e fazei o que ele vos disser’ (Gn 41, 55); ele vos levará, atravessando altaneira e vitoriosamente perseguições e batalhas, ao Reino de Maria, ao Reino dos Céus”.8 ² (Revista Arautos do Evangelho, Dezembro/2017, n. 192, pp. 30-31)

1 Cf. CLÁ DIAS, EP, João Scognamiglio. São José: quem o conhece?… São Paulo: Lumen Sapientiæ; Arautos do Evangelho, 2017.
2 BEATO PIO IX. Ineffabilis Deus, 8/12/1854.
3 CLÁ DIAS, op. cit, p.187-188.
4 Idem, p.299.
5 Idem, ibidem.
6 SOLÁ Y VIVES, CMF, Domingo. San José, ínclito protector de los hombres y del mundo. Madrid: Corazón de María, 1919, p.222.
7 Idem, ibidem.
8 CLÁ DIAS, op. cit., p.438.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*