Tríduo Pascal e Domingo de Páscoa na casa dos Arautos

O Tríduo Pascal nos remete aos dias mais solenes do Ano Litúrgico, no qual revivemos de forma mais profunda um dos principais mistérios da nossa fé: a Paixão, Morte e Ressurreição de Nosso Senhor Jesus Cristo! Com decoro, fé e muita piedade, foram realizadas com a participação de muitos fiéis, as cerimônias da Semana Santa, culminando com a celebração do Domingo de Páscoa.

Na Quinta-feira Santa, com a Missa da Ceia do Senhor, a Igreja inicia o Tríduo Pascal e se esforça vivamente para renovar aquela última ceia, mediante a qual o Senhor Jesus ofereceu seu Corpo e seu Sangue a Deus Pai sob as espécies do pão e do vinho. Nesta ceia, também, Jesus institui o sacerdócio ministerial e dá a seus discípulos o mandamento novo do amor.

A Celebração da Paixão do Senhor, ocorrida na Sexta-feira Santa, único dia do ano que não é celebrada a Santa Missa, tem como sentido o dia em que “foi imolado o Cristo, nossa Páscoa” (I Cor 5,7). A Igreja, ao olhar a Cruz de seu Senhor e Esposo, comemora seu próprio nascimento e sua missão de estender a toda a humanidade os efeitos fecundos da Paixão de Cristo, que neste dia celebra, dando graças por tão inefável dom.

O Sábado Santo ou Sábado de Aleluia, com a cerimônia da Vigília Pascal, segundo antiquíssima tradição, é uma noite de vigília em honra do Senhor (cf. Ex 12,42). A vigília que nela se celebra para comemorar a noite santa da ressurreição do Senhor, é considerada como a “Mãe de todas as Santas Vigílias” (Santo Agostinho). Nela, a Igreja vigiando, espera a Ressurreição do Senhor e a celebra com os sacramentos da iniciação cristã.

Marcada pelo júbilo, o Domingo de Páscoa é o dia da Ressurreição do Senhor, no qual as santas mulheres e os discípulos não mais encontram o corpo do Mestre no sepulcro, pois este já ressurgiu dos mortos, não está mais morto, mas vive! Daí em diante, a Igreja estende essa alegria por mais cinquenta dias, ao longo dos quais Nosso Senhor há de aparecer novamente aos seus, para reavivar a fé deles e prepará-los para a receber o Espírito Santo, com isso, a Igreja nascente, com toda pujança, poderá se desenvolver!

Com este espírito, tendo em mente essas verdades que cada rito litúrgico do Tríduo Pascal representa, pudemos reforçar nossa fé em Cristo e na Santa Igreja, certos de que, se Cristo um dia ressuscitou, o seu Corpo Místico, por mais que pareça e possa aparentar uma suposta morte através das perseguições que sofre, através das traições de que é alvo, através das deturpações de que padece, “ressuscitará” mais glorioso do que nunca, para levar, a todos os povos, a Luz de Cristo!

 

Um Comentário para: “Tríduo Pascal e Domingo de Páscoa na casa dos Arautos

  1. Salve MARIA
    Tríduo Pascal foi um ato de muito amor e compaixão a Nosso Senhor Jesus Cristo!!! foi muito lindo!!! como sempre os Arautos fazem com muito amor e Fé…..
    Salve MARIA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*